Service95 Logo
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Issue #003 Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?
Book cover, East Side Voices by Helena Lee

Por que os asiáticos são anônimos na cultura britânica?

Como todas as boas ideias, começou na mesa da cozinha. Era setembro de 2019. Eu tinha assistido ao filme de Quentin Tarantino, Era Uma Vez Em... Hollywood, na semana anterior e estava com raiva. Em uma cena, a lenda Bruce Lee (interpretado por Mike Moh) é retratado falando bobagens filosóficas, emitindo ruídos duvidosos de artes marciais e sendo humilhado pelo personagem de Brad Pitt, Cliff Booth. Em um filme que pretende reverenciar os “grandes” de Hollywood (incluindo Roman Polanski), a única figura histórica não branca é ridicularizada. Para o público presente, essa é a parte mais engraçada. Fiquei pasma com o estereótipo racial, dolorosamente ignorado por todos ao meu redor. Apelei para a mídia, pesquisando freneticamente no Google para ver se alguém compartilhava dessa visão. As críticas ao filme são quase universalmente positivas e felicitam o diretor por sua perspectiva. Encontrei apenas um ou dois artigos norte-americanos reconhecendo a cena como a mais controversa do filme. Mas não vi indignação. Comecei a pensar em outras representações de asiáticos do leste e sudeste: desde a quase muda Lilly Onakuramara, em A Escolha Perfeita, criada para ser ridicularizada (e sem nenhuma profundidade), até a ausência de rostos asiáticos em dramas de TV do Reino Unido. Quando presentes, são nerds ou bandidos sem nome – personagens irrelevantes na história. Quando a pandemia começou, o ex-presidente Trump usou o termo “kung flu” e os asiáticos viraram alvo de crimes de ódio: uma consequência genuína da falta de representação cultural. A jornalista e apresentadora Elaine Chong me enviou um artigo da Dra. Diana Yeh. Ela escreve que um “chinês-britânico” (termo usado para os que “parecem” chineses) pode, citando o escritor Salman Rushdie, ser “visível, mas invisível”, ou seja, presente no tecido social e cultural, mas invisível no imaginário social e cultural. Por que não somos representados de forma significativa? É como se os britânicos com origem asiática fossem uma parte anônima da cultura local. Naquele dia, na mesa da cozinha, decidi que esses estereótipos culturais precisavam mudar para amplificar a voz da comunidade multicultural que vive no Reino Unido – rica em histórias, diferenças e nuances. Eu queria eliminar a ideia preguiçosa de que os asiáticos são parte de uma massa monolítica, que não pensa de forma individual. Por isso, lancei o livro East Side Voices, na esperança de conectar os asiáticos-britânicos que moldam nossa paisagem cultural – como a designer Rejina Pyo e a romancista Sharlene Teo – com as pessoas que definem como vemos o mundo: agentes de elenco, diretores, produtores, escritores e jornalistas. Algo que começou como um encontro mensal no Standard Hotel, em Londres, virou um livro. São páginas intensas. Romalyn Ante, poeta e enfermeira filipina, descreve a situação das gerações de enfermeiras que trabalham para o Serviço Nacional de Saúde britânico na sua família. Katie Leung compartilha sua jornada de adaptação na Escócia e nos sets do filme Harry Potter. Zing Tsjeng expõe o racismo que pesa na nossa história, Naomi Shimada faz uma ode à sua avó japonesa, Gemma Chan conta a história da luta pela igualdade na sua família... Espero que estas histórias lindamente únicas, mas universais, desafiem, perturbem, iluminem, ecoem, e, acima de tudo, inspirem empatia nos leitores. Helena Lee mora em Londres e é escritora e diretora de conteúdo da Harper’s Bazaar. Seu livro East Side Voices: Essays Celebrating East & Southeast Asian Identity In Britain já está a venda
← Back

Thank you for subscribing. Please check your email for confirmation!
Invitation sent successfully!

Please check your email for a reset password link!

Subscribe